sexta-feira, 10 de agosto de 2018

It's alive!

Sim, drum and bass não é os estilo mais na moda neste momento. O pessoal quer é funk carioca e reggaeton. Mas há um cantinho em mim que não se consegue desligar desta batida veloz e de loops infindáveis.

"Though Guys Don't Dance" é o terceiro álbum de originais do músico e produtor galês Lincoln Barrett, aqui no seu projecto High Contrast. Fiquem com "If I Ever", segundo single para este álbum de 2007.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Títulos xaroposos. II (edição canina)

Já tínhamos dado a notícia aqui. Hoje apresentamos o vídeo oficial para "Love Is Magic".

Duotron memória.

"Marilú", dos Ena Pá 2000, no álbum "Enapália 2000", lançado em 1991.

Porquê?

Porque é preciso.



(O vídeo de "Marilú" foi exibido pela primeira vez no saudoso "Popoff", da RTP 2. Emitido entre setembro de 1990 e agosto de 1993, este programa foi responsável pela educação musical de muitos portugueses, com apresentação de Sofia Morais. Tempos mais saudáveis...)

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Partículas de prazer.

Continuamos pela Islândia, que deve estar com uma temperatura bem mais simpática que por aqui.
E continuamos com o Ólafur Arnalds e o seu belíssimo "Particles", que conta com a presença da sua conterrânea Nanna Bryndís Hilmarsdóttir (Of Monsters and Men). A música pertence ao álbum "Island Songs", de 2016.

O vídeo é de Baldvin Z.

Serviço público - IX

Não nos cansamos de querer mostrar ao mundo como um islandês de 32 anos de idade pode ser um dos mais talentosos músicos do século XXI. Ólafur Arnalds visitou os estúdios da NPR e nós ficámos a salivar pelo concerto de 13 de março do próximo ano.

Deixamos aqui um excerto das palavras do músico e apresentador da NPR, Bob Boilen, quando explica aquilo que presenciou nos estúdios da sua rádio:

About ten minutes into the performance Ólafur looked behind him at the two pianos, looked to the NPR crowd and said, "well I guess you're all wondering 'what and why,' to which there's no easy answer." He hit the keys on his electronic keyboard and the two pianos behind responded with cascading, raindrop-like notes. "What I can say," he continued, "is that I've spent two years and all of my money on this — to make my pianos go bleep-bloop." What Ólafur was referring to is software that he and his coder friend, Halldór Eldjárn developed. A computer, loaded with this musical software (which Ólafur calls the Stratus system), "listens" to Ólafur's keyboard performance and responds by creating patterns that are musically in tune with the chord or notes Ólafur performed.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Aparelhos dentários.

Como sabem, aqui no Duotron não aceitamos pedidos, mas concedemos em algumas questões desde que partilhemos do mesmo gosto. Fale-se, por isso, do Sr. Damon Gough, mais conhecido como Badly Drawn Boy, rapaz que anda desaparecido das lides musicais mais que teve uma entrada fulgurante no novo milénio, com 4 álbuns de grande sucesso, editados através da XL.

"Once Around the Block", de "The Hour of Bewilderbeast" (2000), num dos momentos altos da carreira do autor.

O negro nele.

A compilação chama-se "Memento Mori (Anthology 1978-2018)" e reúne alguns dos melhores momentos da carreira de Barry Adamson. Nascido em 1958, o inglês é músico, produtor, fotógrafo, cineasta e escritor. Possui um currículo de fazer inveja a qualquer um: foi baixista nos Magazine, nos Buzzcocks, nos famigerados The Birthday Party de Nick Cave e Mick Harvey passando depois a ser parte integrante dos The Bad Seeds, colaborou com os Visage e Pan Sonic, remisturou gente tão ilustre como os Depeche Mode, The Jon Spencer Blues Explosion e os Grinderman. David Lynch e Danny Boyle convidaram-no a colaborar nas bandas sonoras de "Lost Highway" e "The Beach", respectivamente.

A solo editou "apenas" nove álbuns de originais e oito EP. "Oedipus Schmoedipus", de 1996, é considerado um dos melhores álbuns da década de 1990.

Recordamos aqui dois momentos chave da carreira a solo de Adamson: a estreia em 1989, com o álbum conceptual "Moss Side Story", espécie de banda sonora para um filme noir inexistente, que tinha esta versão deliciosa do tema de abertura do filme "The Man With The Golden Arm", de 1955, composto por Elmer Bernstein. Depois ponham o volume no máximo para acolher a faixa de abertura de "Oedipus Schmoedipus", o contagiante "Set The Controls For The Heart Of The Pelvis", que conta com a voz de Jarvis Cocker.

Façam o favor de descobrir Barry Adamson.